ABRAMEDE
A ABRAMEDE lutou publicamente pelo reconhecimento da especialidade, tal conquista ocorreu no final do ano passado. Desde então estamos trabalhando em conjunto, criando soluções customizadas para atender as demandas de gerenciamento de associados, identidade visual e novo website.

Web



Projeto

Emergências médicas, sejam clíni- cas ou traumáticas, são situações que oferecem risco imi- nente à vida ou à função vital. A sobrevida dos pacientes e/ou a minimização das seqüelas decorrentes destes agravos à saúde, dependem da adequada atuação de uma equipe multidisciplinar, com treinamento e disponibilidade específicos, passando, necessariamente, pelo reconhecimento precoce dessas situações, seguido da adoção de medidas propedêuticas e terapêuticas precisas e essenciais.

O conceito de que pacientes graves ou complexos devam ser recebidos e atendidos nas portas de entrada dos serviços de saúde por um “staff” disponível e especificamente treinado é contemplado nos países desenvolvidos e em alguns países em desenvolvimento. Em contraste, no Brasil, grande parte das emergências dos serviços de saúde, principalmente as que se localizam na periferia das grandes cidades, são entregues a profissionais mal preparados para o atendimento de pacientes críticos.

É comum encontrarmos nos setores de emergência médicos ou enfermeiros recém egressos das universidades, ou mesmo com algum tipo de formação não específica que, por força de um mercado congestionado e competitivo, na busca do sustento, vêem-se obrigados a correr riscos, colocando em risco a vida de pessoas. Este cenário, construído ao longo dos anos, tem sido agravado pela superlotação dos serviços de emergência, decorrentes, entre outras, de uma política de saúde que engatinha na prevenção primária e de questões relacionadas a saneamento básico.

É nesse cenário, que a ABRAMEDE e seus sócios lutam em prol do desenvolvimento da MEDICINA DE EMERGÊNCIA como ESPECIALIDADE no Brasil – status este que confere incentivo vital a centenas de médicos interessados em se dedicar – e principalmente unir forças – na melhoria do quadro de caos supracitado, qualificando o atendimento às emergências no país.